Thursday, February 03, 2005

SILENCIO

SILÊNCIO


Silênco!
As roupagens do dia
Vestem-nos de solidão
Os nossos passos caminham
Com a leveza das aves

Silêncio!
Noite de ruidos que gritam
Aos nossos ouvidos
A solidão encontrada
À mingua da doçura dos beijos
Á distância de todos os desejos
A acalentar nas nossas mãos vazias
Este silêncio doloroso
Este silêncio aquoso
Dos nossos dias!

Silêncio de ruidos feitos
De medos redobrados
De corpos já cansados
De loucuras perdidas
Sem tempo pra ganhar
Nesta corrida imensa
Que são as nossas vidas

Rumaremos em seguida
A outros planos
Onde este mundo de enganos
De pouco servirá
Se da lição do silêncio
Se da lição desta vida
Não tivermos ganho nada
Se ela não foi aprendida!!!


DAD